fbpx
(11) 98940-4096 contato@delvinoclub.com.br
garrafas de vinhos

Melhores vinhos brasileiros em 2020

Nos últimos anos, os melhores vinhos brasileiros têm ganhado mais espaço no mercado nacional e no gosto dos brasileiros e de países vizinhos também. Presentes em diversas adegas e supermercados, os vinhos nacionais tiveram um aumento de vendas significativo em 2020. Inclusive, tiveram destaque em lojas online, marketplaces e aplicativos de compras. 

Segundo a Associação Brasileira de Sommelier (ABS), as vendas de vinhos brasileiros cresceram 39% nos quatro primeiros meses deste ano, somando 4,4 milhões de litros comercializados, ante 3,2 milhões de litros do primeiro quadrimestre de 2019. Esse crescimento na comercialização de vinhos nacionais demonstra que os brasileiros estão começando a valorizar mais a bebida local. A produção também tem se destacado pela sua qualidade. 

Apesar do consumo ter crescido, nem todo mundo sabe diferenciar os tipos de vinhos – sejam eles nacionais ou importados. Existindo ainda dúvidas quanto à escolha de um bom vinho. Especialmente para pessoas que não conhecem tão bem a bebida. Logo, uma das primeiras perguntas que surgem ao buscar por um vinho é: afinal, existem melhores vinhos brasileiros do que outros? 

16 melhores vinhos brasileiros em 2020

Anualmente a Associação Brasileira de Enologia (ABE) realiza a Avaliação Nacional de Vinhos, um dos maiores eventos do vinho brasileiro, que avalia os vinhos produzidos no país. Em novembro deste ano, de forma online por conta da pandemia, aconteceu a 28ª realização deste evento que classificou 2020 como a safra das safras. Com isso, destacou os 16 melhores vinhos brasileiros. Conheça abaixo quais foram os vinhos bem avaliados. Veja também suas especificações, baseadas em descritivos do evento produzidos por Mauro Celso Zanus, Odinéli Louzada dos Santos Côrrea e Magda Beatris Gatto Salvador:

Vinho Base Espumante

1. Chardonnay: Cooperativa Vinícola Aurora (Bento Gonçalves – RS)

Este vinho tem característica visual límpida e brilhante, com tom amarelo palha, possui presença de reflexos esverdeados e sua intensidade é média. Seu aroma lembra frutas cítricas e de polpa branca, bem como flor de laranjeira. Quanto ao sabor, traz refrescância e possui boa acidez, sendo um vinho equilibrado e frutado. 

2. Riesling Itálico/Chardonnay/Pinot Noir Chandon do Brasil (Garibaldi – RS)

Este também possui tonalidade amarelo palha esverdeado, é límpido e brilhante. O seu aroma é marcado por frutas cítricas e brancas maduras, além da forte presença de nota floral e mel. Possui boa intensidade do aroma e quanto ao gosto, traz equilíbrio e acidez marcante, trazendo boa e longa estrutura. 

3. Pinot Noir – Casa Valduga (Bento Gonçalves – RS)

Embora também seja límpido e brilhante, este traz alguns diferenciais diante dos vinhos anteriores. Possui cor amarelo palha com reflexos acobreados. Seu aroma é intenso e traz notas de frutas vermelhas frescas, frutas brancas e toque floral. Com acidez marcante, cítrico e frutado, o gosto persiste na boca com harmonia e equilíbrio. 

Vinho Branco Fino Seco Não Aromático

4. Riesling: Cooperativa Vinícola Garibaldi (Garibaldi – RS) 

Com aroma intenso e notas de mel, frutas tropicais, cítricas e em calda, este vinho tem tonalidade amarelo palha esverdeado e é brilhante. Traz harmonia e bom volume na boca, além de possuir boa acidez com um toque de frescor, lembrando o gosto de frutas brancas maduras. 

5. Chardonnay:  Cooperativa Vinícola Aliança (Santana do Livramento – RS)

É um vinho límpido e brilhante com tonalidade amarelo palha forte e tons dourados. Seu aroma é intenso e complexo, com lembrança de frutas brancas maduras e frutas secas, além de notas de baunilha, chocolate branco, coco, café e madeira. Embora doce, traz equilíbrio, boa acidez e volume de boca. 

Vinho Branco Fino Seco Aromático

6. Sauvignon Blanc: Vinícola Família Lemos de Almeida (Vacaria – RS)

Com aroma de intensidade média, este vinho possui tonalidade amarelo palha mais claro e traços esverdeados. Os aromas trazem o frescor das frutas tropicais, bem como notas florais e vegetais. Com um toque mineral, o paladar é refrescante e equilibrado, possuindo boa acidez, corpo médio e bom volume de boca. 

7. Moscato Giallo: Vinhos Hortência (Flores da Cunha – RS)

Embora fino, seu aroma é intenso, cítrico, frutado e com notas florais e vegetais. Com visual límpido e brilhante, possui tonalidade amarelo palha claro e esverdeado. Traz presença intensa na boca, com frescor e equilíbrio, sendo agradável ao paladar. Com bom volume e corpo médio, o gosto frutado é prolongado na boca, mesclado com notas de moscatéis. 

Vinho Rosé Fino Seco

8. Cabernet Sauvignon: Vinícola Almadén (Santana do Livramento – RS)

Com tonalidade salmão, rosado e cobreado, traz um visual marcante e brilhante. Seu aroma é intenso, com frutas vermelhas, negras e nota floral. Ao ser provado, traz um toque de frutas maduras. É refrescante e harmônico e sua acidez é marcante, trazendo ao final da boca sabor frutado e persistente. 

Vinho Tinto Fino Seco Jovem

9. Merlot: Vinícola Salton (Bento Gonçalves – RS)

Com tonalidade vermelho rubi e reflexos violáceos, seu visual é vivo e bastante intenso. Com aroma de intensidade média, as notas de frutas vermelhas frescas, secas se destacam e são complementadas por um toque mentolado. Seu sabor é leve e agradável ao paladar. Possui acidez equilibrada, corpo médio e taninos leves. 

Vinho Tinto Fino Seco 

10. Tannat: Casa Perini (Farroupilha – RS)

Aparência brilhante de intensidade média, é marcado pela tonalidade rubi violácea. Seu aroma traz intensidade média, com notas de frutas vermelhas, negras, especiarias, cassis e outros. Para o paladar, traz harmonia e acidez moderada, podendo ser adocicado em alguns momentos. É bem encorpado e traz bom volume de boca, sendo frutado ao final. 

11. Cabernet Franc: Vinícola Don Guerino (Alto Feliz – RS)

Este é um vinho intenso e profundo e tem tonalidade rubi com reflexos violáceos. Seu aroma é muito intenso também, com forte presença de frutas vermelhas e negras, além de especiarias e madeira equilibrada. Com sabor agradável, possui boa acidez e equilíbrio, seus taninos são doces e macios. 

12. Tannat: Família Bebber (Flores da Cunha – RS)

O visual deste vinho é intenso e brilhante, sua tonalidade é mais próxima à um vermelho rubi vivo. Traz boa qualidade e intensidade média dos aromas, com notas de geleia, frutas vermelhas e pretas, e toques de baunilha e outras especiarias. Em um primeiro momento, traz um sabor adocicado, possuindo boa acidez, estrutura e volume de boca. 

13. Merlot: Pizzato Vinhas e Vinhos (Bento Gonçalves – RS)

Este vinho é profundo e sua coloração está próxima do vermelho rubi. Seu aroma é equilibrado com notas de frutas vermelhas maduras e negras. Também traz presença de aroma amadeirado e especiarias, com toque de vegetal e couro. Sua acidez e estrutura são boas e envolventes, assim como os taninos, deixando o gosto prolongado na boca. 

14. Merlot: Vinícola Cave de Pedra (Bento Gonçalves – RS)

A aparência deste vinho tem intensidade de média para alta, com coloração rubi violácea profunda. Seu aroma também possui alta intensidade, com leve mentolado e chocolate, é marcante o aroma das frutas vermelhas maduras, uvas passas e frutas em calda. Para o paladar é robusto e intenso, com acidez moderada e boa estruturação e volume de boca.

15. Tannat/Cabernet Sauvignon/Cabernet Franc: Casa Venturini (Flores da Cunha – RS)

Com tonalidade vermelho violáceo, este vinho possui visual muito intenso. Seu aroma é agradável e complexo, com notas de frutas vermelhas e pretas, compota e licor de cassis, além de especiarias e notas mentoladas e de eucalipto. Com equilíbrio ao paladar, sua acidez é presente com taninos doces e marcantes. Possui boa permanência na boca e ótimo volume de boca.

16. Touriga Nacional/Tempranillo/Petit Verdot/Merlot/Cabernet Sauvignon/Tannat: Vinícola Miolo (Bento Gonçalves – RS)

O último vinho desta listagem também tem coloração vermelho violáceo e aparência intensa e profunda. Seu aroma é intenso, com destaque para notas de cassis, frutas vermelhas e pretas, além de geleia, cravo, canela, pimenta e outras especiarias. Para o paladar, garante intensidade e equilíbrio entre a acidez e o adocicado. Há presença de notas amadeiradas, taninos e boa persistência na boca. 

O que determina a qualidade de um bom vinho?

As regiões com melhores condições para a produção e fabricação de vinho se situam tanto no hemisfério sul quanto no hemisfério norte, entre as latitudes 30° e 50°. Por esse motivo, o mundo dos vinhos está dividido em dois. Os Vinhos do Velho Mundo, que englobam as produções da Europa. E os Vinhos do Novo Mundo, que contam com os vinhos de outros lugares do mundo. Sendo assim, as safras produzidas no Brasil fazem parte do Novo Mundo e o país já é um dos grandes representantes. 

O vinho é uma bebida alcoólica produzida por meio da fermentação do suco de uva. Mas não é qualquer uva, já que as uvas viníferas possuem características diferentes das uvas de mesas que podem ser adquiridas em mercados e hortifrutis. As uvas que são usadas para produzir o vinho costumam ser menores, com sementes e tendem a ser mais doces. No entanto, a partir dessa característica de uva, existem diversos tipos que podem ser utilizados. 

Sendo assim, diversos fatores podem influenciar na qualidade do vinho. Tornando uns melhores do que outros – desde a escolha da uva para a produção do vinho, até a escolha do solo ideal e as condições climáticas, bem como o processo de fabricação e engarrafamento da bebida. 

Tipo de uva, fatores climáticos e qualidade do solo

O tipo de uva, por exemplo, é um dos principais aspectos que afetam o resultado final do vinho. Existem uma variedade grande de uvas e elas podem determinar se um vinho será mais doce ou ácido, como será a cor, os aromas e taninos. Contudo, nem todo vinho produzido a partir da mesma uva terá o mesmo sabor. Já que as condições climáticas também interferem na fabricação da bebida. 

O fator da condições do tempo, envolvendo calor, chuva, umidade e luz do sol, por exemplo, afetam diretamente o estilo do vinho e sua qualidade. Isso porque contribuem para o desempenho da produção das uvas, desde seu amadurecimento até a colheita. Para evitar diferenças entre um vinho e outro do mesmo estilo, os vinicultores costumam produzir os vinhos por safra, mantendo a consistência na produção de um ano para outro. 

Além disso, a qualidade do solo, os nutrientes absorvidos e a quantidade de água também podem influenciar na qualidade do vinho. Isso acontece porque, colocar água em grandes quantidades no plantio contribui para gerar produções maiores. Contudo, as características podem mudar, já que os sabores e açúcares da fruta serão diluídos. Solos mais pobres alimentados com bons nutrientes podem surpreender e produzir uvas de melhor qualidade. 

Por fim, mas não menos importante, temos o processo de fabricação. Esta etapa colabora em conjunto para definir diversas propriedades do vinho. Por exemplo, como e por quanto tempo será fermentado e a forma de envelhecimento (se será envelhecido em barris ou tanques de inox). Durante o processo de fabricação também se determina se haverá contato com as cascas da fruta na fermentação ou não. Essa etapa de produção dos vinhos possui muitas variantes, a depender de cada fabricante. 

Apesar desses aspectos, também deve-se levar em consideração os gostos pessoais. Afinal, os sabores e aromas variam de cada tipo de vinho e podem agradar ou não quem está provando. Por isso, não há demérito algum nessa questão. A qualidade em si está presente nas características particulares de cada vinho. E o gosto pessoal de cada pessoa está relacionada exatamente com a experiência ao degustar a bebida e se familiarizar com cada sabor. 

Como escolher um bom vinho? 

Agora que já sabe quais são os melhores vinhos brasileiros de 2020, fica mais fácil escolher um bom vinho para apreciar e saborear. No entanto, alguns truques, além de pensar nas características do vinho, contribuem para realizar uma boa escolha. Portanto, analise primeiro a ocasião para o consumo do vinho. A partir disso, verifique como está a aparência da bebida no estabelecimento. Leia o rótulo para saber exatamente qual é o vinho e, por fim, considere o valor que seja apropriado para você no momento. 

Para aprender a escolher um bom vinho como um sommelier, combiná-lo com pratos gastronômicos e harmonizá-lo em ocasiões específicas, a Del Vino possui o Curso de Vinhos Com Degustação. O curso é recomendado tanto para iniciantes quanto para quem já possui algum conhecimento, mas quer se aprofundar na área de vinhos.

Crédito das fotos: Unsplash

× Como Podemos Te Ajudar?